Vivências do Japão encontram as do Pará e do interior de São Paulo

Experiências tão diversas e realizadas em lugares com características tão diferentes chamaram a atenção do painel que reuniu as apresentações da Biblioteca Infantil Brasileira Susana Ventura (Projeto Construir Artel), de Osaka no Japão,  Projeto Biblioagrorural, de Tomé-Açu no Pará, e a Nova Biblioteca Municipal de Santa Bárbara D´Oeste, no interior de São Paulo. A atividade, realizada no último dia do Seminário Internacional Biblioteca Viva, foi mediada por Marilena Nakano, da Rede Beija-flor de Pequenas Bibliotecas Vivas de Santo André (SP).

A Biblioteca Infantil Brasileira Susana Ventura nasceu do desejo de levar títulos em língua portuguesa para as famílias que vivem em Osaka. A ideia foi inspirada na Biblioteca Patrícia Almeida em Nova York, nos EUA, e que funcionava  pelo correio, beneficiando-se de  tarifas amigáveis e que cobrava mensalidade dos pais. A inauguração da biblioteca que leva o nome de Susana aconteceu em março de 2019 e, hoje, a iniciativa soma  1.500 livros para crianças de até 12 anos (atualmente, há 600 a caminho e 200 aguardando embarque). A ideia é atingir a marca de 3 mil livros de qualidade no acervo, que passa por curadoria cuidadosa já que há limitações com relação ao espaço de armazenamento do acervo. Entre os projetos futuros da biblioteca estão a construção de um canal no YouTube (OsakaLê) e a implementação dos empréstimos de títulos pelo correio (em fase de avaliação de custos).

O Projeto Biblioagrorural, conduzido pela equipe da Biblioteca Pública Municipal Wilson Marques, de Tomé-Açú, no Pará, apresentou os detalhes da realização de um ciclo de oficinas e palestras de manejo sustentável para agricultores. Além das atividades, que contribuíram para a formação e informação da população que vive do plantio (enfatizando a redução da emissão de Carbono), houve até contrapartida com a criação de uma horta na própria biblioteca, que fica ao lado da igreja matriz no município. O projeto contou com atividades na zona rural e outras na cidade, inclusive com a certificação dos participantes. Como frisaram o Secretário Municipal de Cultura e Turismo, Roberto Silva, e a bibliotecária Elanir Fernandes, a presença do projeto no seminário já foi uma importante vitória para o município e pode contribuir para a continuidade da Secretaria na estrutura da condução da política cultural da cidade.

Inaugurada em junho de 1968, a Biblioteca Pública Municipal Maria Aparecida de Almeida Nogueira está hoje localizada no Novo Terminal Urbano de Santa Bárbara D´Oeste (SP). Em 1976 foi transferida para o prédio do antigo Paço Municipal e, aos poucos, o sonho de estabelecer-se no terminal foi ganhando forma. A ideia era utilizar 12 contêineres em um arranjo circular, fazendo uso consciente dos recursos (e como resultado de uma preocupação com a sustentabilidade) na nova localização. Em 25 de janeiro de 2019, o sonho vira realidade e impressiona. Os novos desafios agora residem na busca de parceiros para estabelecer e/ou consolidar atividades como círculo literário, programação de contação de histórias, oficinas de teatro e cinema para crianças, de fotografia e criação literária, entre outras. O próximo passo é estabelecer o sistema de empréstimo de livros entre as bibliotecas Professora Maria Aparecida com as Professor Léo Sallum e Neide Crócomo.

Foto: Equipe SP Leituras.
Foto: Equipe SP Leituras.
Foto: Equipe SP Leituras.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *